Categoria: Conheça a pedagogia

Pedagogia Waldorf – resumo

Um resumo das principais características

A Pedagogia Waldorf foi criada pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner, e a primeira escola a utilizá-la foi fundada em 1919 em Stuttgart, na Alemanha. Torna-se mais difundida a cada ano, e já é adotada em cerca de 1100 escolas e 2000 Jardins de Infância em mais de 80 países, nos 5 continentes. Isso porque tem um currículo vivo, dinâmico e integrado, assim como por sua preocupação com o desenvolvimento global dos alunos, suas diferenças individuais e a ênfase em ajudá-los a descobrir suas capacidades e realizar seu potencial. Esse currículo é desenvolvido em bases antropológico/antroposóficas, tendo em vista a evolução física, emocional e espiritual do ser humano.

Veja um resumo das principais características da Pedagogia Waldorf para o ensino infantil e fundamental:

Continuar lendo “Pedagogia Waldorf – resumo”

1 – Introdução – Rudolf Steiner e a Antroposofia

A educação para enfrentar os desafios do futuro

por Rubens Salles

Para conhecer a base filosófica e conceitual que sustenta a Pedagogia Waldorf, assim como aspectos pedagógicos propriamente ditos, sugerimos que leia os posts desta seção seguindo a sequência numérica, como se fossem os capítulos de um livro. O texto não esgota o assunto, mas irá lhe apresentar o alicerce que sustenta o rico universo desta pedagogia, que está em pleno desenvolvimento no Brasil e no mundo, completando 100 anos em 2019. O curso de especialização em Pedagogia Waldorf no Brasil demanda 1.600 horas-aula e 300 horas de estágio.

Continuar lendo “1 – Introdução – Rudolf Steiner e a Antroposofia”

2 – A visão de uma nova sociedade

A trimembração social

por Rubens Salles

A visão antroposófica do organismo social, concebida por Steiner, é um dos esteios da Pedagogia Waldorf, e você vai ver adiante que ela se reflete na própria estrutura das escolas Waldorf. Ela busca responder à seguinte pergunta:

Que sociedade queremos?

Continuar lendo “2 – A visão de uma nova sociedade”

3 – A Escola Waldorf como organismo social

Escolas comunitárias

por Rubens Salles

Por princípio, as escolas Waldorf são escolas comunitárias, criadas por iniciativa de um grupo de pais e professores. Apenas alguns pequenos jardins de infância são mantidos por iniciativa particular independente, e algumas escolas maiores que começaram como escolas particulares, acabaram tornando-se associações, com o passar do tempo.

Continuar lendo “3 – A Escola Waldorf como organismo social”

4 – O professor de classe

A qualidade da relação entre professor e aluno

por Rubens Salles 

No ensino fundamental das escolas Waldorf adota-se o professor de classe, que acompanha a classe do 1º ao 8º ano e ministra as matérias principais (português, matemática, história etc) na primeira aula do dia, com duas horas de duração, todos os dias.

Continuar lendo “4 – O professor de classe”

5 – A concepção do ser humano segundo a Antroposofia

 A ciência do ser humano

por Rubens Salles

A Pedagogia Waldorf se desenvolveu e se realiza levando em consideração que o ser humano é formado por um conjunto de forças que vai além do seu corpo físico, e que precisam ser compreendidas e consideradas para que a educação não seja apenas para ensinar matérias à crianças, mas sim uma ciência para o desenvolvimento humano.

Continuar lendo “5 – A concepção do ser humano segundo a Antroposofia”

6 – Pensar, Sentir, Querer

As capacidades anímicas do ser humano

Um dos piores erros consiste em acreditar
que a pedagogia é a ciência da criança,
e não do ser humano. Janusz Korczak

Todas as atitudes que tomamos em nosso cotidiano, durante a vida inteira, passam por três estágios: Pensar, Sentir e Querer/Agir. A cada decisão que a vida nos impõe, das mais simples, como ir ou não ao cinema, até as mais graves, como cometer ou não um delito, nós pensamos logicamente sobre o fato, avaliamos as sensações que ele nos causa, como: entusiasmo, desânimo, desconforto, determinação, medo, raiva, carinho, vergonha etc. Após este filtro emocional, nós decidimos que atitude tomar sobre o fato.

Continuar lendo “6 – Pensar, Sentir, Querer”

7 – Antropologia

O desenvolvimento humano em setênios

por Rubens Salles

Embora o ser humano nasça completo em sua estrutura, com corpo, alma e espírito, e com as capacidades anímicas de pensar, sentir e querer, o desenvolvimento de cada um destes elementos se dá em etapas bem definidas. A Antroposofia divide o desenvolvimento do homem em períodos de, aproximadamente, sete anos, os setênios.

Continuar lendo “7 – Antropologia”

8 – Os quatro temperamentos

Desvendando o comportamento humano

por Rubens Salles

A teoria dos temperamentos – melancólico, colérico, sanguíneo, fleumático – que representam “temperos” do comportamento humano, remonta a Empédocles, na antiga Grécia, que os relacionou aos quatro elementos naturais – terra, fogo, ar, água. Hipócrates os chamava de quatro humores. Posteriormente foram também estudados por Kant, Wilhelm Wundt, e mais recentemente pelo psicólogo inglês H.J.Eysenck.(1) Steiner aprofundou este estudo a partir da Antroposofia, e considera o conhecimento dos temperamentos essencial para o professor.

Continuar lendo “8 – Os quatro temperamentos”

9 – Ritmo – essência da vida

O ritmo na vida, na escola e na sala de aula

por Rubens Salles

Em sua formação, o professor Waldorf é conduzido a uma profunda reflexão sobre a importância do ritmo na vida, pois, na verdade, vida é ritmo. A natureza é permeada de ritmos, e a vida acontece através deles. Nós vivemos dentro de um grande ritmo cósmico solar que é o dia e a noite, e também um ritmo lunar. Toda a vida é regida por ritmos. Assim, os animais diurnos acordam ao amanhecer e se recolhem ao anoitecer, como fazia o homem primitivo, a fotossíntese acompanha o ritmo do dia e da noite, as estações do ano o ritmo de translação da terra, e as marés o ritmo da lua.

Continuar lendo “9 – Ritmo – essência da vida”

11 – As atividades artísticas como instrumento pedagógico

A arte de educar com arte

por Rubens Salles

Na Pedagogia Waldorf, a arte se confunde com a própria pedagogia. Segundo Zimmermann (1), “a arte de educar, como arte social, abrange todas as demais artes e necessita delas como meio”. O conceito de educação como obra de arte social compreende a forma do professor atuar entre os alunos, de modo a promover o fluir e a harmonia das relações e o desenvolvimento harmônico de suas capacidades humanas de pensar, sentir e querer/agir. Como toda arte, exige conhecimento, sensibilidade e ação.

Continuar lendo “11 – As atividades artísticas como instrumento pedagógico”