Tag: Pedagogia Waldorf

Poemas para a Páscoa – de Ruth Salles

A Paixão do Homem

– Pai, perdoa-me, porque ainda não sei bem o que faço.
Eu ouvi a verdade em Mim ensinando-me o caminho do Som bendito.
No entanto, minha teimosa mão guerreira, espírito-criança,
não tentou decepar-me a orelha com que ouvia?
“Mete tua espada na bainha” – eu disse –
“pois então não hei de beber o cálice que já está à minha mesa?
O caminho é este e eu estou pronto.”

Continuar lendo “Poemas para a Páscoa – de Ruth Salles”

Poemas para a Páscoa – traduções

traduções de Ruth Salles

Todos

poema de Conrad Ferdinand Meyer

Dizia o Espírito: “Olhe, foi num sonho.
No claro espaço o olhar erguido eu ponho.
Vejo entre as nuvens o Senhor partindo
para seus doze o pão. Distribuindo
palavras de esperança e amor profundo,
abre os braços e envolve todo o mundo.”

Dizia o Espírito: “Olhe, vi o linho
pairando sob a ceia. E o pão, e o vinho,
e milhares de mãos que se estendiam.
E as pontas da mesa se esvaíam
em névoas. E em degraus, sem ser chamados,
vultos sofridos viam-se sentados.”

Dizia o Espírito: “Olhe! O azul do céu
envolve a ceia imensa com seu véu.
Brota a água da vida em profusão,
e nenhum prato se estendeu em vão.
Todos se deitam no trigal macio.
Não há fome. Não há lugar vazio.”

 

***

Sobre a Páscoa

poema de Novalis – Friedrich von Hardenberg

Eu digo que Ele vive, a toda gente,
e que ressuscitou,
e que junto de nós e para sempre
pairando Ele ficou.

Eu digo, e todos vão também dizer
aos companheiros seus
que em breve em toda parte vai nascer
novo reino dos céus.

Perante um novo modo de sentir,
o mundo reaparece;
e a vida nova em nós a ressurgir
da mão dele é que desce.

Vejo o terror da morte mergulhar
no fundo mar escuro
e toda gente agora a contemplar
com calma seu futuro.

A vereda sombria que Ele abriu
para o céu é que vai,
e quem os seus conselhos já ouviu
chega à casa do Pai.

Agora, ao ver morrer alguém querido,
sofremos sem temor.
Saber que o reencontro é concedido
suaviza essa dor.

Com muito mais fervor vamos agir
nos feitos mais singelos,
pois essa sementeira vai florir
em campos bem mais belos.

Ele vive e conosco sempre resta
quando nos falta tudo!
Que este dia nos seja como a festa
do renovar do mundo.

 

***

Disse o Senhor a Moisés e a Aarão

poema adaptado do livro do Êxodo, capítulo 12

Sacrificareis um cordeiro,
um cordeiro branco e sem mancha alguma,
e tingireis com seu sangue o umbral de vossas portas.
Vós o comereis com pães sem fermento,
e tendo já os vossos rins cingidos,
sandálias nos pés e cajado na mão.
Comereis o cordeiro a toda a pressa:
é a Páscoa do Senhor.
Assim, nessa noite,
quando eu passar para ferir o Egito,
vendo o sangue em vossas portas não permitirei
que o Destruidor penetre em vossas casas
para vos ferir.
Quando tiverdes chegado à terra que Eu vos darei
como prometi,
observai este rito para sempre.
É o sacrifício da Páscoa,
em honra do Senhor que, ferindo os egípcios,
preservou vossas casas.

 

***

Poema de Páscoa

poema de Albert Steffen, do livro “Wegzehrung”

O ar oprime e faz medo, e o frio, e a escuridão;
mal se sente bater o próprio coração…
E assim nenhum consolo encontram os amigos,
e tímidos, então, rodeiam meu jazigo
e sentem, de meu sopro, o ar da morte passar.
– Ó vós, tudo o que tendes, a fala, o olhar,
e que trazeis a mim, o sepulcro devora,
insaciável sugar de meu túmulo agora.

Porém, ante o sepulcro, eis o Cristo postado!
Olhai! De quanta luz Ele está rodeado!
Reparai no calor que se irradia dele,
subi do vosso Nada ao Tudo que está nele,
estendei vossas mãos em sua direção,
cruzai-as junto ao peito e: “Eu sou!”, dizei então.
E o calor e a luz, fluindo em mim, florescem,
e o último inimigo – a morte – se esvanece.

 

***

 

O Pintarroxo – um conto para a Páscoa

Adaptação resumida de uma lenda de Selma Lagerlöf

por Ruth Salles

Isto aconteceu no tempo em que o Senhor, tendo criado o céu e a terra, criou igualmente os animais e as plantas, dando-lhes os nomes que ainda conservam.

Ora, estava Ele um dia em seu Paraíso celeste, pintando as aves pequeninas, quando de repente lhe veio a ideia de fazer um passarinho cinzento.

– Seu nome é pintarroxo – disse, assim que terminou. E, colocando-o na palma da mão, deixou-o voar.

Continuar lendo “O Pintarroxo – um conto para a Páscoa”

Escola Municipal Araucária – Camanducaia MG

Escola Waldorf pública rural, fundada em 1974.

A escola conta desde sua fundação com o apoio da  Associação Educacional Bom Jardim, uma entidade sem fins lucrativos, que se destina a disseminar a Pedagogia Waldorf no município de Camanducaia – MG.  Atende atualmente 160 alunos do Jardim ao 9º ano do ensino fundamental. A equipe atual do corpo docente é formada por 14 professores, todos com formação em pedagogia Waldorf, dos quais 9 são da comunidade.

 

 

***

Associação Comunitária Monte Azul – 40 anos

Vídeo comemorativo dos 40 anos de atuação da Associação Comunitária Monte Azul

“A Associação Comunitária Monte Azul é uma organização não governamental, orientada pelo pensamento antroposófico, que atua prioritariamente pelo desenvolvimento integral do Ser Humano. A partir dessa proposta, o trabalho baseia-se na Pedagogia Waldorf, na Medicina e Pedagogia Social ampliadas pela Antroposofia e no caminho de auto-educação”. Conheça um pouco deste lindo trabalho em  https://www.monteazul.org/pt-br/

 

***

 

 

Teatro para crianças de 11 anos – orientações pedagógicas

A criança de 11 anos

Por Cristina Maria Brigagão Abalos, Dora Regina Zorzetto Garcia e Vilma Lúcia Furtado Paschoa.

A relação da criança de 11 anos com a Natureza é intensificada pela apresentação do mundo das plantas. A partir da observação, o educador pode levá-la a refletir sobre esse universo silencioso que vai além do visível, além da matéria, com suas leis de desenvolvimento, formas geométricas e metamorfoses. Partindo da relação da paisagem vegetal com seu meio ambiente, surge, por exemplo, a percepção da diversidade regional do Brasil. Através desta abordagem, tem-se o caminho para investigar as diferenças naturais e socioculturais.

Continuar lendo “Teatro para crianças de 11 anos – orientações pedagógicas”

Peça de História para Euritmia

peça de Ruth Salles 

Nota – Estão entre aspas: na parte da Atlântida, o trecho de um manuscrito maia existente no British Museum, e notas do Códice Boturini, século XVI; na parte da Índia, um hino dos brâmanes e citações do
“Bhagavad Gîtâ”; na parte do Egito, trechos do “Hino ao Sol” do faraó Amenófis IV, chamado Akhenáton. Os versos dos gregos, procurei fazê-los em hexâmetros gregos, às vezes em pentâmetros.

Continuar lendo “Peça de História para Euritmia”

Teseu e o Minotauro

peça de Ruth Salles

TESEU E O MINOTAURO

Esta peça, feita a pedido da professora Melanie Mangels Guerra, é um coro grego, composta em hexâmetros, e que deve ter bastante movimento e leveza, além de força no momento da luta de Teseu com o Minotauro. No início, em vez de pedir que a Musa cante, peço que ela se mova na voz dos aedos, pois quis citar esses poetas da Grécia antiga, que recitavam ou cantavam ao som da lira, numa época em que todas as histórias eram transmitidas por via oral. Dois alunos podem representar os aedos, sentados de um lado com uma lira nas mãos ou um outro instrumento semelhante. A música que houver deve ser, se possível, em estilo modal grego.

Continuar lendo “Teseu e o Minotauro”

Teatro para crianças de 8 anos – orientações pedagógicas

A criança de 8 anos

Por Cristina Maria Brigagão Abalos, Dora Regina Zorzetto Garcia e Vilma Lúcia Furtado Paschoa.

A perda das características da primeira infância não é brusca. Ao se observar uma criança de 8 anos podem-se notar algumas mudanças: torna-se mais esguia e movimenta-se com maior flexibilidade. As transformações ocorrem paulatinamente durante os três primeiros anos escolares do Ensino Fundamental. Estes formam um período que, do ponto de vista psicológico, pode ser considerado uma unidade. Continuar lendo “Teatro para crianças de 8 anos – orientações pedagógicas”

O Mágico Vezes Dois

Matemática – peça de Ruth Salles

PERSONAGENS: Coro 1, Coro 2, Boneco, Mágico Vezes-Dois.

Os Coros podem ficar no fundo em linha reta, ou então em 2 filas, pois vão caminhar. Um Coro de cada lado, e o Boneco no meio, na frente. O Mágico surge por trás dos coros. Se possível, o boneco é um aluno com um gorro até abaixo do nariz (que logo o Mágico tira), um lenço amarrado na boca (que o Mágico tira em seguida) e uma túnica, dentro da qual ele mantém, primeiro, braços e pernas bem juntinhos (que depois o Mágico vai abrindo). Se não for muito difícil, o Mágico Vezes-Dois deve ser formado por dois alunos metidos numa túnica só, de gola bem larga, que andam juntinhos, agindo com a mão direita de um e a esquerda do outro.

Continuar lendo “O Mágico Vezes Dois”

Projeto de fomento à criação de Escolas Waldorf públicas

Queremos mais escolas Waldorf na rede pública!

Projeto de Pesquisa

Este projeto foi financiado coletivamente em campanha concluída em 18/03/2019, que você pode acessar no link abaixo. Em breve publicaremos aqui a agenda e o histórico deste trabalho.

https://www.catarse.me/escolaswaldorfpublicas

A Pedagogia Waldorf completa 100 anos em 2019, e sabemos o quanto ela enriquece a educação e transforma a vida das crianças e das famílias.

Mas hoje, muitas famílias que gostariam de ter seus filhos estudando em uma escola Waldorf, não tem condições de pagar por isso. Já existem no Brasil algumas escolas Waldorf na rede pública, que fazem um lindo trabalho, mas ainda são poucas. Precisamos de mais escolas como essas.

Para fomentar e orientar novas iniciativas, vamos pesquisar, sistematizar e publicar informações detalhadas sobre como foram criadas e qual foi o caminho trilhado por cada uma das escolas Waldorf públicas que já temos.

O próprio Rudolf Steiner criou a Pedagogia Waldorf para que fosse uma pedagogia para o POVO, e é missão do Instituto Ruth Salles contribuir para que este ideal seja realizado. Esse é o propósito deste projeto!

Pesquisaremos como foram criadas as escolas Waldorf públicas pioneiras, obstáculos enfrentados, constituição jurídica, formato dos convênios, autonomia pedagógica, como é a formação e contratação de professores, tudo que deu certo e o que deu errado, e como convivem com as mudanças de gestão nas prefeituras.

Entrevistaremos professores, pais, apoiadores, membros das associações mantenedoras e representantes das secretarias de educação. Este material será sistematizado, editado e publicado no nosso site, inclusive com os depoimentos em vídeo que viermos a conseguir.

Acreditamos que esta pesquisa ajudará e orientará outras iniciativas e municípios a constituírem mais escolas Waldorf públicas para as crianças brasileiras.

Prazo para publicação do Relatório: Maio de 2019.

 

Escolas que já se dispuseram a participar

Escola Cecília Meireles – Nova Friburgo RJ

Fundada em 01 de agosto de 1988 pela Associação Pedagógica Nascente, tornou-se escola pública em 2004. A escola possui classes do maternal II ao oitavo ano, uma de cada, sendo 3 classes de pré-escola. Tem hoje 253 alunos.

***

 

Escola Waldorf Vale de Luz – Nova Friburgo RJ

Fundada no dia 04 de março de 1991 pela Associação Crianças do Vale de Luz, tornou-se escola pública em 30 de outubro de 1996. Hoje, atende ao Maternal III, Pré I e II (3 a 5 anos) da Educação Infantil e do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental (6 a 12 anos). Todos os 120 alunos da escola estudam em turno integral, das 7h30 às 16h30, num total de nove horas diárias.

https://www.facebook.com/ECMdoValedeLuz/

A criação destas duas escolas Waldorf públicas em Nova Friburgo RJ, motivou também a criação de um Centro de formação de professores Waldorf no município.

https://www.facebook.com/seminariowaldorffriburgo/

***

 

Escola Municipal Calumby – Aracaju SE

Fundada em 2015, com o apoio do Instituto Social Micael, a escola tem hoje 286 alunos na educação infantil e creche.

EMEF José Souza de Jesus – Aracaju SE

Para que as crianças da Escola Municipal Calumby pudessem continuar seguindo a com a pedagogia Waldorf, foi inaugurada em 2018 a EMEF José Souza de Jesus, já com classes do 1° ao 5° ano, com 443 alunos.

Para estas 2 escolas os professores são preparados pelo Centro de formação de professores Waldorf do Instituto Social Micael.

***

 

Centro de Educação Infantil 316 Norte – Movimento Txai – Brasília DF

O movimento Txai foi criado em 2012 por iniciativa de um grupo de professoras concursadas da Secretaria de Educação do Distrito Federal, que cursaram a formação em Pedagogia Waldorf, contando também com um núcleo de apoio formado por outros professores, amigos e interessados. Estas professoras atuam juntas no Centro de Educação Infantil 316 Norte, com salas de aulas inspiradas na Pedagogia Waldorf, que atende 100 crianças.

O movimento já promoveu cursos de introdução à pedagogia Waldorf para professores da rede pública, pela Escola de Aperfeiçoamento de Professor do DF, e tem um projeto para instituir uma escola pública Waldorf em Brasília, que atualmente tramita na Secretaria de Educação do Distrito Federal, já tendo sido aprovado no que diz respeito à pedagogia.

https://www.facebook.com/movimentoTxai/

***

 

Outras iniciativas, inclusive algumas que não tiveram sucesso, poderão ser incluídas neste projeto, para efeito de ampliar o conhecimento sobre o tema.

Coordenação

Este projeto será coordenado por Rubens Salles, que coordenou durante 5 anos o projeto Dom da Palavra, uma série de seminários para professores do ensino infantil e fundamental da rede pública de 5 municípios no Estado de São Paulo, ensinando alguns elementos da Pedagogia Waldorf. O trabalho foi sistematizado em uma dissertação de mestrado, que está disponível aqui.

 

***