A lebre e sua festa

poema de Ruth Salles

Corre, corre a lebre
dentro da floresta.
Quer que se celebre
uma boa festa.

Pois achou a horta
de cenoura e alface.
Quem abriu a porta
para que ela entrasse?

E dá seus pulinhos,
corre e não se cansa,
chamando amiguinhos
para a comilança.

E agora ela salta,
fora da floresta,
com tudo o que falta
para sua festa.

Pronto! Preparou
uma mesa farta.
Só não convidou
a raposa e a marta.

“É que elas se atrevem
– já ouvi contar –
a comer a lebre
que se descuidar.

Do que há na horta
não fazem questão.
Fecho bem a porta,
não convido, não!”

 

 

***