A Lenda do Umbu

peça de Ruth Salles

Lenda Gaúcha, de Páscoa
Jogral com algum movimento

Umbu – desenho de Marcella Cappi Torres, feito para o livro ‘Do Mulungu ao Manacá’, de Ruth Salles.

PERSONAGENS:
Coro 1 (dos narradores).
Coro 2 (voz de Deus Pai)
Coronilha – árvore espinhuda, também chamada espinho-de-cristo, com madeira de grande densidade e resistência.
Molho – árvore também chamada assobiadeira.
Figueira-do-campo – árvore tropical de tronco e raízes fortes.
Umbu – o nome indígena quer dizer “que dá de beber”; é árvore típica dos pampas, de folhagem tão espessa que o sol mal atravessa; tem tecido lenhoso frouxo e esponjoso.

 

CORO 1:
– Quatro árvores, certo dia,
cada uma no seu recanto,
viram que lhes acontecia
estranha mágica ou encanto
que lhes causava grande espanto.

CORONILHA:
– Nossos ramos se mexem mais!
Que acontece por toda a terra?

MOLHO:
– Será a alegria de Deus Pai
por ter vencido aquela guerra
contra diabos e homens malvados?

FIGUEIRA-DO-CAMPO:
– Ouço Deus Pai se aproximando…

UMBU:
– É doce a voz e grande o brado,
alguma coisa perguntando.

CORO 2 (voz de Deus Pai):
– Queridas árvores! Ó filhas!
A vitória foi conseguida!
Comemorando o acontecido,
vim perguntar à coronilha
se quer fazer-me algum pedido.

CORONILHA:
– Eu quero ser dura, Deus Pai!
Que nem a força do machado
consiga um dia me cortar!

CORO 2 (voz de Deus Pai):
– E você, molho?

MOLHO:
– Pai amado,
Para mostrar minha alegria,
quero saber assobiar.

CORO 2 (voz de Deus Pai):
– E a figueira-do-campo?

FIGUEIRA-DO-CAMPO:
– Altíssimo,
quero ser alta, forte e bela.

CORO 1:
– E assim Deus Pai, generosíssimo,
ouviu a esta, ouviu aquela
e satisfez a todas elas.
Então o umbu, à sua maneira,
disse o que sempre desejou.

UMBU:
– Eu quero que minha madeira
seja sempre esponjosa e mole.

CORO 1:
– Toda a floresta se espantou!

UMBU:
– Quero dar uma sombra vasta,
de onde o calor sempre se afasta.
Assim, abrigo os caminhantes
em seu descanso de uns instantes.

CORO 1:
– Deus Pai cedeu à sua vontade,
porém antes lhe perguntou:

CORO 2 (VOZ DE DEUS PAI):
– Por que tanta fragilidade
foi o que você desejou?

UMBU:
– É que eu queria tanto, tanto
não servir para cruz jamais
para o sacrifício de um santo.

CORO 1:
– E Deus Pai o deixou em paz,
fez seu tronco esponjoso e frouxo,
e suas folhas, daí por diante,
dão grande sombra refrescante.

 

 

***