A paineira

poema de Ruth Salles – com música

De flor cor-de-rosa,
no céu claro e lindo,
paineira frondosa,
vou alto subindo.

A brisa do outono
me embala, zunindo.
Tonteiam de sono
as folhas caindo.

E as flores? Bem cedo,
já forram o chão.
Quem sabe o segredo
que guardam então?

São frutos deixados
nos ramos pendendo.
São cocos fechados!
Que estão escondendo?

Eu sei. Você sabe?
Batendo no chão,
o fruto se abre
e solta algodão.

São painas macias
na terra espalhadas.
Você não queria
encher almofadas?

 

 

***