Conversa de burro e cavalo

Tema: Explorar os instrumentos de corda – classe de 9 anos

Ensaio da apresentação do texto Conversa de Burro e Cavalo pela classe do 3° ano da professora Heloísa Borges da Costa, da Escola Waldorf Rudolf Steiner. O texto original, que segue abaixo, foi criado por  Ruth Salles a pedido do professor de música, Paulo Roberto Henes, que criou a participação musical dos alunos. O objetivo é incentivar os alunos a se interessarem pelos instrumentos de corda e pela música. Na apresentação filmada o professor fez pequenos ajustes no texto. (14:22 mim)

Começa com o aquecimento, e enquanto o texto é lido, os alunos fazem os sons dos animais com os instrumento.

Conversa de Burro e Cavalo

Era fim de noite. Um burro e um cavalo iam conversando pelo campo afora.

– O escuro ainda não recolheu sua sombra – disse o burro.

– É – concordou o cavalo – mas os grilos já estão parando de esfregar as perninhas com aquele barulho engraçado que parece fala. (cri,cri – cri,cri). Não demora muito para o teto do capim, lá no alto, ficar rosado e azul de novo.

– Será? – duvidou o burro – Eu ainda ouço os sapos coaxando junto da terra molhada. (quax, quax). Acho que querem conversar com os grilos. (cri,cri – quax).

– Eles estão é se despedindo do escuro – concluiu o cavalo – pois o claro vem chegando com o brilho daquela flor grande e vermelha que sobe da beirada do fim do chão, bem no longe.

– A flor grande está espiando nessa beirada do longe – disse o burro – mas já clareou o campo e a mata. O galo, logo, logo, vai dar o sinal. Ouça: (có,có,ró,có!)

– Ih, amigo burro, o galo acordou toda a família: galinhas e pintinhos. Que barulhada! (piu,piu,piu – cóó – piu,piu,piu – cóó).

– Não exagere, cavalo. Mais barulho faz a boiada que esse vaqueiro vai tocando, montado em você. (muuu, muuu, muuu)

– Meu vaqueirinho é bom! E você, burro, está carregando quem no lombo?

– Ah, é meu dono pequeno, o Tonico. Ele vai prestar um serviço para o João-Pastor. E estamos chegando perto. Já ouço os carneiros do João-Pastor me dando seu alô amigo. (mééé, mééé) Vou até responder de cá: (hin,hon – hin,hon!)

– Você é engraçado, burro (hin, hin, hin). Esse seu zurro quase derruba o Tonico. Até assustou os porcos do Zé-Chiqueirinho. Olhe lá: (crum,crum,crum).

– Que, nada, cavalo! É que a bicharada toda já viu o vermelhão da flor brilhante que sobe e esquenta a gente. Até os cachorros do Zé-Chiqueirinho começaram a latir – disse o burro. (au,au,au)

– E os do João-Pastor responderam (au,au,au – au,au,au). Latido de cachorro parece doença que pega, não é mesmo, burro? Um late, e todos latem atrás.

– Ui, ui, que resfrio… Cai água lá de cima, cavalo. E é um aguaceiro forte (chuíí, chuéé, chuáá). A flor vermelha se escondeu atrás daquela mancha cinzenta para não se molhar.

– Chi… Acho que essa manjedoura comprida cheia d’água que corre por aqui vai transbordar! Adeus, burro! Vou pegar um galope e atravessar logo a boiada (mu,mu,mu). E você, tome cuidado! (pocotó, pocotó, pocotó).

– Adeus, cavalo amigo! Pode deixar que eu sei onde fica o ponto mais raso da manjedoura de água para passar sem que o Tonico se molhe muito.

E o burro seguiu em seu trote manso, pensando:

– Que cavalo valente, tocando todos esses bois! O vaqueiro dele é um pouco afobado. Pronto. A água parou de cair. A flor vermelha saiu detrás da mancha cinzenta, e as outras manchas se afastaram do teto azul do capim. Ah! Que beleza aquele arco todo colorido e bem curvo, que sobe de um longe e desce no outro longe… Acho que o Tonico disse alguma coisa… É isso… arco-íris… (****)

 

***