Haja agá

poema de Maria Luíza Freitas Guimarães

Homero, homem honrado,
herdou um hotel na Hungria,
mas, quando foi habitá-lo,
viu humilde hospedaria.

Havia no hotel um hóspede
que a Homero humilhou,
mas o húngaro horrorizado
ainda o homenageou.

Era um homem holandês,
muito hostil por sinal
e o mau hálito que tinha
era coisa habitual.

Certa noite, altas horas,
o holandês a Homero acordou:
“Prepara-me um chá de hortelã,
pois me sinto muito mal.”

Mas Homero não teve harmonia:
“Vá procurar um hospital!”

 

 

***