O Cogumelo

poema de Hans Eberhard Schiller
traduzido e recriado por Ruth Salles

desenho de lousa da professora Cecília Rinaldi

O que eu sou, na verdade,
é uma planta-criancinha.
De água até que eu gosto
e um leve calorzinho.

Porém evito a luz,
e em mim estão ausentes
a folha ou qualquer flor.
Sou só fruto e semente.

Da terra a minha haste
eu faço com que cresça
e – ploft – meu chapéu
já ponho na cabeça.

Ele é meu guarda-chuva
e me protege bem.
E a Mamãe Natureza
cuida de mim também.

Só como o alimento
que por ela é cozido.
É leve e me sustenta.
Sou muito agradecido.

 

 

****