O Fogo

poema de James Krüss
traduzido e recriado por Ruth Salles

desenho de lousa da professora Verônica Calandra Martins

Ouve a chama cochichando,
como estala, crepitando!
Rubra e bela, brilha a brasa,
cresce, cora e aquece a casa.

Como língua, a flama passa,
lambe a lenha e faz fumaça.
vira e volta e não se cansa.
Sobre a lenha, o fogo dança.

As faíscas fogueteiam,
tremeluzem, bruxuleiam.
Sopra a chama um brilho brusco,
já clareia o lusco-fusco.

Olha como o fogo inflama!
Quente bafo vem da chama.
Serpenteia e sobe e desce,
queima, queima e tudo aquece.

Mas, aos poucos, amansando,
todo o fogo vai baixando.
Só fumaça agora sai,
e o calor também se esvai.

Pipoqueia a brasa ainda.
E brilharia linda
se flama ainda fosse.
Mas, só de leve chia…
tremula… esfria…
Foi-se!

 

 

***