O Gigante

poema de Christian Morgenstern traduzido e recriado por Ruth Salles

No mato há um gigante
que tem um orelhão,
e que acha sussurrante
o estrondo do trovão.
Ao ver a mamangaba,
a mão ele estendeu.
Foi tal a barulhada,
que o mato estremeceu.

Deitou-se pra dormir.
Com a chuva a cair,
o orelhão se encheu,
e um lago apareceu.

Ovelhas e pastor
vão lá beber. Que horror!
Pois ele se virou,
e tudo se acabou.

 

 

***