O girar dos mundos

poema de Ruth Salles

No silêncio do azul profundo,
eu não ouço o girar dos mundos.

Mas, cada um seu som lançando,
todos em coro vão cantando.

Todos seu rumo próprio têm,
sem desviar-se aqui e além.

E cada um, por leviandade,
jamais o rumo alheio invade.

E em torno ao sol vão-se movendo,
a própria órbita mantendo.

Mas há uma força que os atrai,
que vem do sol e entre eles vai

e que os mantém interligados,
cada um por si, mas lado a lado,

como as crianças, dando as mãos,
brincam de roda – irmãs e irmãos.

 

 

***