O grão e o pão

de Elisabeth Klein

poemas do livro “A Mãe-Terra, o Grão e o Pão” traduzidos e recriados por Ruth Salles

Desenho de lousa da professora Verônica Calandra Martins

1. FLORAÇÃO

A chuva desce
e se derrama.
E a haste cresce,
e a flor, e a grama.

O vento passa,
as flores bolem.
Já esvoaça
o louro pólen.

Como cintila
seu tom dourado
na luz do dia
ensolarado!


2 . O CANTO DA COTOVIA

A cotovia
voa veloz
chamando o vento
com doce voz.
Todos escutam
o som amigo
que diz a tudo:
“Floresce o trigo!”

Cintila e voa
o pó dourado,
nas mãos do vento
sendo embalado.
De cá, de lá,
seu rumo sigo.
Que vai e vem!
Floresce o trigo!

Ouve-se o canto
da cotovia
anunciando
tudo o que via.
No mundo todo,
o som antigo
sempre ressoa:
“Floresce o trigo!”

 

3 . A CARROÇA DE TRIGO

Na carroça que balança
vamos nós empoleirados.
Todo o trigo é nossa cama,
todo o céu, nosso telhado.

É melhor – senão, voamos! –
irmos bem abaixadinhos;
mas cantamos, gorjeamos
tal e qual os passarinhos.

Parece que estou na gleba,
deitado, a cabeça ao léu,
e que esta carroça é a terra
viajando pelo céu.

Bem seguros nós estamos.
Para casa vamos indo.
Eh, carroça, vai rodando!
O mundo todo é tão lindo!

 

4 . A MASSA DO PÃO

Sem vigor amassarás?
Bom padeiro não serás.

Força vai e força vem?
Boa massa assim se tem.

Mexe o braço e força a mão,
vê teus dedos como vão!

Toda a massa sente bem
o vigor que o homem tem.

Mãos à obra desta vez,
em silêncio e rapidez.

E a massa fica boa
porque Deus a abençoa.

 

5 . O PADEIRINHO

Padeirinho, padeirinho,
o teu pão já vais fazer?
Vem teu forno acender!
Põe o pão, retira a brasa,
tapa todo buraquinho,
que o calor assim não vaza.

Padeirinho, padeirinho,
fecha bem a portinhola!
Que perfume já se evola!
É da casca ou do miolo?
Ao assares teu pãozinho,
não te esqueças do meu bolo!

 

 

****