O Inca

peça de Ruth Salles

Esta pequena peça foi escrita a partir do mito que conta a história do início do povo inca.¹ Depois do canto inicial, as etapas da criação são simbolizadas por estrofes em que o número de sílabas de cada verso vai aumentando. A 1ª estrofe tem duas sílabas em cada verso, a 2ª tem três, a 3ª tem quatro, e as estrofes do sol e da lua têm cinco. Depois, os versos vão-se abrindo, com sete, oito e nove sílabas. No fim, os versos dos filhos da Mãe-Terra têm quatro sílabas novamente. A música é baseada em melodia de origem incaica.

PERSONAGENS:
Viracocha, o deus-sol
Quilla, a deusa-lua
Componentes da montanha Tambotoco (pelo menos 4)
Componentes da nuvem de chamas (2 ou 3)
Componentes da nuvem da lua (2 ou 3)
Manco Capac, o inca, e seus 2 irmãos
Mama Occla, sua esposa, e suas 2 irmãs
Nobres
Sacerdotes
Tribos de povos
Filhos da Mãe-terra

 

TODOS (cantam o hino a Viracocha, no início ou no fim da peça):
“Viracocha, rei da origem de tudo,
seja do homem, seja da mulher.
Ele é o grande Criador!
Acima, abaixo, através,
manda tua luz!
Ouve a voz do Inca, meu Senhor!”

COMPONENTES DA MONTANHA (no centro; o deus-sol se erguendo por trás):
– No início
dos tempos
ergueu-se
o grande
deus-Sol
Criador:
Viracocha!

COMPONENTES DA NUVEM DE CHAMAS
(as chamas evoluem do lado, à frente, enquanto a montanha se ajoelha):
– Diante dele,
adorando-o,
ajoelhou-se
nosso avô,
a montanha
Tambotoco,
que é o topo
deste mundo!

COMPONENTES DA NUVEM DA LUA
(evoluem de leve do outro lado, enquanto as chamas correm e cercam a montanha):
– Na adoração
de Tambotoco,
nuvem de chamas
veio envolvê-lo:
Oh…………!
Dela saíram
filhos do Sol!

VIRACOCHA (o deus-sol, enquanto os filhos vão saindo das chamas):
– São três os meus filhos!
A eles se uniram (vai surgindo a Lua com sua nuvem e as filhas):
três jovens donzelas:
as filhas da Lua.

LUA (enquanto sua nuvem evoluciona e as filhas dão as mãos aos filhos do sol):
– Sou Quilla, a Lua,
a deusa que, à noite,
desceu numa nuvem.

VIRACOCHA:
– São três os meus filhos,
e quem os lidera
é Manco Capac, (este aparece, inclina-se e recebe o disco e o bastão de ouro)
que traz sua coya, (esta aparece e se inclina)
que é Mama Occla.

TODOS (menos a montanha, que se abre em 3 flancos, um no centro e dois dos lados):
– Nisto, abriu-se o avô-montanha.
Os três flancos vão-se abrindo…

NOBRES (saindo do flanco do centro):
– Do primeiro saíram os nobres,
os filhos do ouro.

SACERDOTES (saindo de um dos flancos laterais):
– Do segundo, os filhos da prata,
que são sacerdotes.

POVO (saindo do outro flanco lateral):
– Do terceiro os filhos do cobre,
as tribos de povos.

(Manco Capac anda em volta com os incas e vai em direção aos filhos da Mãe-Terra, que narram, enquanto a cena se passa no ritmo dos versos de um semeador):

FILHOS DA MÃE-TERRA:
– Manco Capac
guia seu povo
com seu bastão
todo de ouro
que Viracocha
lhe entregara.
Ele o lançou
com grande força
e o viu cair
no vale fértil
onde vivia
a nossa gente:
os filhos de Pacha Mama, a Mãe-Terra!
O Inca sagrado
nós recebemos.
Nós ajudamos
a sua gente
a construir
o grande Império
e a capital,
chamada Cuzco!

TODOS (enquanto Manco Capac volta para o sol seu disco sagrado de ouro):
– Aqui vivemos
em harmonia.
honrando o Sol,
no tempo quente,
na hora exata
em que ele atinge
enfim o zênite.
A fina estaca,
no chão plantada,
não forma sombra
na hora sagrada.
O grande Sol
faz germinar
todas as plantas
e faz crescer
os animais
e traz a vida
a todos nós!

(Todos se ajoelham para o Sol. Querendo, podem depois cantar de novo o canto do início.)

*1: SCHUBERT, Marie. Minute Myths and Legends. New York: Grosset & Dunlap Inc. Publischers, 1934.

 

 

 

***