O Miosótis

poema de Ruth Salles

Baseado em lenda mineira

Era uma vez Nossa Senhora
a caminhar de madrugada
sempre esperando por Jesus;
e, seguindo campina afora,
em flores brancas espalhadas
ela pôs seus olhos azuis.

E lamentava-se, chorosa,
pois seu Filho estava distante:
“Como custa a passar o dia…”
E muitas lágrimas saudosas
orvalharam naquele instante
cada flor branca que se abria.

Foi assim que o branco miosótis
se coloriu da clara luz
do azul dos olhos de Maria.
“Oh, meu filho, quero que voltes.
Não te esqueças de mim, Jesus!”,
era o que a santa ali dizia.

E o miosótis, só por isso,
também se chama Não-me-esqueças,
porque entendeu aquela dor.
E você não sabia disso?
Pois bastará que alguém mereça
e, só de amar, terá mais cor.

 

 

***