O soldadinho de chumbo

Conto de Hans Christian Andersen

Tradução de Ruth Salles

Era uma vez um pelotão de vinte e cinco soldadinhos de chumbo, todos irmãos, pois tinham nascido da mesma colher de chumbo velha. Eles estavam de espingarda no ombro, olhando firme para a frente, e sua farda era vermelha e azul. E era uma vez um menino, que ganhou os soldadinhos de presente no dia de seu aniversário. Ele abriu a tampa da caixa e, quando viu os soldadinhos, bateu palmas e gritou:

 – Soldadinhos de chumbo!

Foi a primeira coisa que eles ouviram neste mundo. E o menino gritou mais uma vez:

– Soldadinhos de chumbo!

Em seguida, tirou-os da caixa e os pôs de pé em cima da mesa. Eram todos iguaizinhos, menos um, o que foi feito por último. Como não sobrou chumbo bastante para ser fundido, ele tinha uma perna só. Mas assim mesmo ficava firme de pé em sua única perna, tal como os outros em duas. E foi justamente com esse soldadinho que se passou uma história fantástica.

Em cima da mesa onde os soldadinhos tinham sido postos, havia muitos outros brinquedos; mas o que mais chamava a atenção era um lindo castelo de cartolina. Ele tinha sido recortado com muita arte. Sobre o telhado flutuavam bandeirinhas, e quem olhasse pelas pequenas janelas podia ver os salões lá dentro. Na frente do castelo ficavam umas arvorezinhas delicadas, e no meio delas um espelhinho que parecia um lago. Cisnes de cera nadavam no lago e se refletiam nele. Tudo era lindo de se ver, mas o que havia de mais encantador era uma pequena bailarina que estava de pé junto da porta aberta do castelo. Era como se ela tivesse dado um salto para fora do castelo. Também era feita de cartolina recortada, mas vestia um saiote do mais fino linho e trazia nos ombros uma fita azul estreita como se fosse um xale. No meio da fita estava presa uma rosa, feita de lantejoula cintilante e do tamanho de seu rosto. A delicada mocinha estendia os braços, pois era uma boa bailarina; e levantava uma das pernas tão alto, que ficava escondida atrás do saiote. O soldadinho de chumbo, não conseguindo enxergar essa perna, pensou que a bailarina só tivesse uma, tal como ele.

– Seria essa a mulher ideal para mim – pensou – só que parece muito rica, pois mora num castelo, e eu tenho apenas uma caixa; e dentro da caixa somos vinte e cinco. Não é uma casa digna dela! Assim mesmo, bem que eu gostaria de ficar sendo seu amigo.

Havia também sobre a mesa uma caixa de rapé, com jeito de ser um bom esconderijo. O soldadinho se colocou bem atrás, e de lá pôde ficar olhando a pequena e delicada bailarina. Ela continuava de pé numa perna só e assim ficou, sem perder o equilíbrio.

Quando anoiteceu, as crianças e todas as pessoas da casa foram para a cama, e todos os outros soldadinhos de chumbo para a caixa. Por volta da meia-noite, porém, os brinquedos começaram a se movimentar e a brincar. Brincaram de “castelo”, de “guerra” e de “jogar bola”. Os soldadinhos de chumbo se mexiam dentro da caixa, pois queriam sair e brincar também, mas não conseguiam levantar a tampa. O quebra-nozes dava cambalhotas, o lápis fazia desenhos na lousa; o resultado é que, com tanto barulho, o canarinho acordou e começou a tomar parte na conversa. Ele falava muito bonito e em versos, e às vezes também cantava.

Os únicos que não saíram do lugar foram o soldadinho de chumbo e a bailarina: ela continuava bem esticadinha na ponta do pé, com os braços erguidos, e ele também continuava firme numa perna só. Nem por um momento tirou os olhos dela.

Nisto, o relógio bateu meia-noite e – plac! – a tampa da caixa de rapé se abriu de repente. Na verdade, não havia nenhum rapé lá dentro, mas sim um brinquedinho mágico, e o que pulou para fora da caixa foi um pequeno duende.

– Soldadinho de chumbo! – disse o pequeno duende, balançando animado na ponta de sua mola – Você não tem nada a ver com essa bailarina. Tire os olhos dela!

Mas o soldadinho de chumbo fingiu que não ouviu.

– Ah, é? Pois então espere até amanhã! – disse o duende, antes de se enfiar de novo em sua caixa.

No dia seguinte, quando as crianças se levantaram, pegaram o soldadinho de chumbo e puseram na janela. De repente – não sei se foi o duende ou uma rajada de vento – de repente a janela se abriu, e o soldadinho caiu de cabeça para baixo do terceiro andar, e foi parar na rua. Que tombo terrível! Mas o valente soldadinho, de perna para o ar, fincou a baioneta entre as pedras do calçamento.

Na mesma hora, o menino e a empregada desceram à sua procura. Passaram bem pertinho e quase pisaram nele, mas não o viram e voltaram para casa sem conseguir nada. O soldadinho devia ter chamado pelos dois, não é mesmo? Ah, se ele tivesse gritado “Estou aqui!”, tinha sido encontrado logo. Mas achou que não ficava bem gritar em voz alta, estando de farda, e continuou espetado no chão.

Começou então a chover; as gotas caíam cada vez com mais força, e a chuva acabou virando um aguaceiro. A água corria por entre as pedras do calçamento e formava um córrego na valeta. Quando a chuva parou, apareceram dois garotos da rua.

– Olhe ali! Um soldadinho de chumbo! – disse um deles – É bem bonito. Vamos ver como ele navega pelo mundo afora num barquinho?

E os dois fizeram um barquinho de jornal dobrado, puseram o soldadinho dentro e empurraram o barquinho pela água. Lá se foi o soldadinho de chumbo em seu altivo navio pela valeta abaixo. Os garotos acompanhavam a descida correndo pela beirada da calçada, batendo palmas de tão contentes.

A chuva, porém, aumentou as águas da valeta, e a correnteza ficou tão forte que formou ondas altas. O barquinho de papel balançava, subindo e descendo, e às vezes girava tão depressa que o soldadinho de chumbo estremecia. Mesmo assim, nem se perturbou; continuou firme, olhando fixo para a frente com o fuzil no ombro. De repente, o barquinho entrou num bueiro. Lá dentro ficou muito escuro; era como se o soldadinho estivesse outra vez dentro de sua caixa.

– Onde será que eu vou parar? – pensou – A culpa toda é daquele duende! Ah, se a pequena bailarina estivesse aqui comigo, podia ficar mais escuro ainda que eu nem me importava.

Nesse instante, veio nadando uma ratazana de esgoto, que morava no bueiro.

– Quem vem vindo aí? Você tem passaporte? Mostre seu passaporte! – exclamou a ratazana.

O soldadinho de chumbo continuou calado e firmou mais o seu fuzil. O barco de papel seguia rápido em frente, e a ratazana foi nadando atrás. Ela bufava, arreganhava os dentes e gritava para os pauzinhos e palhinhas que vinham com a correnteza:

– Parem esse soldado! Parem! Ele não mostrou seu passaporte! Ele não pagou passagem! Não pode seguir viagem!

Contudo, a correnteza foi ficando cada vez mais forte, e o soldadinho de chumbo já podia avistar a luz do dia, lá onde o bueiro terminava. Mas, ao mesmo tempo, ouviu um barulhão assustador, desses de meter medo no mais valente dos homens. É que o bueiro desaguava num grande canal. As águas se lançavam numa vasta correnteza, e isso era tão perigoso para o soldadinho, como seria, para nós, descer por uma cachoeira.

E agora ele já estava tão perto, que não ia conseguir parar. O barquinho de papel seguiu em frente, e o pobre soldadinho se manteve firme, o mais firme que pôde; ninguém pode dizer que ele tenha sequer piscado os olhos. O barco rodopiou umas duas vezes naquele turbilhão, ficou cheio d’água até a beira e começou a naufragar. Foi afundando, afundando, e foi também se desmanchando; o soldadinho de chumbo já estava com água até o pescoço, até que, por fim, ela cobriu sua cabeça. Ele então pensou na pequena e graciosa bailarina, que com certeza nunca mais veria, e aos seus ouvidos chegou o som tristonho de uma antiga canção militar:

“Vai avante, ó guerreiro,
vai enfrentar a morte!”

O papel rasgou-se e acabou de se desfazer, e o soldadinho afundou de vez, mas no mesmo instante foi engolido por um grande peixe.

Ah, como era escuro lá dentro! Mais escuro que no bueiro. Ainda por cima era muito apertado. O soldadinho de chumbo, porém, continuou firme e ficou deitado no estômago do peixe com o fuzil no ombro. O peixe nadou para lá, para cá, depois agitou-se tremendamente e afinal ficou quieto. De repente, abriu-se nele uma fresta por onde a claridade entrou, e uma voz gritou bem alto:

– O soldadinho de chumbo!

O peixe tinha sido pescado, vendido no mercado e levado para uma cozinha, onde a cozinheira o abriu com um facão. Espantada, ela pegou o soldadinho pela cintura com a ponta dos dedos e o carregou até a sala. Todos quiseram ver aquele homem fantástico que viajara no estômago de um peixe.

Mas o soldadinho de chumbo não se sentiu importante por causa disso. Ele foi posto em cima da mesa e – que coisas incríveis acontecem neste mundo! – tinha ido parar na mesma sala onde estava antes.

Ele viu as mesmas crianças e os mesmos brinquedos, o mesmo castelo maravilhoso em cima da mesa e, defronte da porta do castelo, a pequena e graciosa bailarina. Lá estava ela de pé numa perna só, com a outra estendida para o alto; ela também continuava firme! Isso comoveu o soldadinho, e ele só não chorou lágrimas de chumbo porque não ficava bem.

Ele olhou para ela, e nenhum dos dois disse nada.

De repente, uma das crianças pequenas, sem motivo algum, pegou o soldadinho de chumbo e jogou dentro da lareira; com certeza a culpa foi daquele duende da caixa de rapé. O soldadinho ficou todo iluminado e sentiu um calor terrível; mas não sabia se o calor era por causa do fogo ou por causa do seu amor. Suas cores estavam desbotadas. Será que foi da viagem ou da tristeza? Ele olhou para a mocinha de cartolina, ela olhou para ele, e ele sentiu que estava derretendo. Mas, mesmo assim, continuou firme com o fuzil no ombro. Nesse momento a porta se abriu, e o vento carregou a bailarina. Ela voou como uma borboleta e caiu dentro da lareira, bem junto do soldadinho de chumbo; depois pegou fogo… e desapareceu.

O soldadinho derretido virou uma bolinha de chumbo. No dia seguinte, quando a empregada tirou as cinzas da lareira, encontrou-o transformado num pequeno coração. Da bailarina sobrou apenas a rosa de lantejoula toda queimada, e preta como carvão.

 

 

****