Os saltos do Iguassu

poema de Ruth Salles

Baseado em texto de Ariosto Espinheira, em Viagem através do Brasil.

Tarobá e Naipi
se amavam de grande amor.
Tarobá era valente,
Naipi, linda como a flor.

Bem à beira do Iguassu,
os dois, contentes, moravam,
entre os índios caingangues,
que o deus Mboi veneravam.

Deus em forma de serpente,
Mboi, filho de Tupã,
quis Naipi para servi-lo,
consagrada como irmã.

O rio também corria
como serpente no chão,
e o pajé já preparava
a grande consagração.

– Naipi! Naipi! Onde anda
a que parece uma flor?
Ai… fugiu com Tarobá,
fugiu com seu grande amor.

Lá vão eles rio abaixo
numa canoa passando.
E Mboi ficou raivoso,
foi na terra penetrando.

Fendeu a terra por dentro,
e se solta e se desata
bem sob o leito do rio,
que desaba em catarata!

Caiu a leve canoa…
Sumiram os namorados…
Mas o rio os segurou,
para sempre transformados:

ele, em árvore frondosa,
ela, em rocha sobranceira,
ambos na beira do abismo
das águas da cachoeira.

São os Saltos do Iguassu!
O caingangue os chamará,
contemplando a queda grande:
– Olhem! Naipi-Tarobá!…

 

 

***