Primavera

poema de H. Seidel
traduzido e recriado por Ruth Salles

Desenho de lousa da professora Verônica Calandra Martins

Que brisa, que brilho reluz na planura,
que as plantas repinta, nas cores se esmera?
E, enquanto me espanto, o regato murmura:
“Se o verde revive, já é primavera!”

Que belos os prados, que brotos em festa
já brincam, já bolem, na vida que impera!
E, enquanto me espanto, responde a floresta:
“Renova-se a flora! Já é primavera!”

Que riso nas rosas, que sopros suaves,
que finas as flores na clara atmosfera!
E, enquanto me espanto, proclamam as aves:
“Já vimos! Já vimos! Já é primavera!”

 

****