Saci-Pererê

poema de Ruth Salles

Desenho de Verônica Calandra Martins.

Saci-pererê

Saci-pererê,
duende encantado,
mãozinha furada,
barrete encarnado.

No redemoinho,
do meio do pó,
surgiu o negrinho
de uma perna só.

De pito na boca,
olhando brejeiro,
tramou travessuras,
entrou no terreiro.

Apagou meu fogo,
azedou o feijão,
fez trança no rabo
do meu alazão.

Puxou bem as caudas
de todos os bois,
juntou num só nó…
e fugiu depois.

Saci-pererê
só faz confusão.
Tirou a banqueta,
e eu sentei no chão.

 

***