Tag: irmãos Grimm

O Sapo Rei

conto dos irmãos Grimm

tradução de Alda Volkmann
revisão de Ruth Salles

aquarela velada da professora Verônica Calandra Martins

Antigamente, quando os desejos ainda eram realizados, vivia um rei cujas filhas eram todas lindas. A mais moça, porém, era tão linda, que o próprio sol, que já vira tantas coisas, se maravilhava sempre que seus raios batiam nela. Perto do castelo do rei, existia uma floresta grande e escura, e debaixo de uma velha tília havia um poço. Quando o dia era bem quente, a filha mais moça do rei ia até a floresta e se sentava na beira do poço fresquinho; quando se cansava de ficar ali, pegava uma bola de ouro, jogava-a para cima e a aparava de novo. Ela era seu brinquedo preferido.
Continuar lendo “O Sapo Rei”

Rosa Branca e Rosa Vermelha

conto dos Irmãos Grimm

tradução de Renate Kaufmann
revisão de Ruth Salles

Uma pobre viúva morava numa pequena choupana isolada. Na frente da choupana havia um jardim com duas roseiras. Uma dava rosas brancas, e a outra, rosas vermelhas. A viúva tinha duas filhas, que se pareciam com as roseiras: uma se chamava Rosa Branca, e a outra, Rosa Vermelha. Ambas eram tão dóceis e boas, tão trabalhadeiras e pacientes, que seria difícil haver irmãs iguais no mundo.

Continuar lendo “Rosa Branca e Rosa Vermelha”

Rapunzel

conto dos Irmãos Grimm

tradução de Renate Kaufmann
revisão de Ruth Salles

Era uma vez um homem e uma mulher que, há muito tempo, desejavam em vão um filho; finalmente, a mulher teve esperança de que o adorado Deus satisfaria seu desejo.

Nos fundos da casa havia uma janelinha, de onde se podia ver um magnífico jardim cheio de verduras e de lindas flores; era, porém, cercado de um muro alto, e ninguém se atrevia a entrar lá, pois pertencia a uma feiticeira que tinha um grande poder, e todo mundo tinha medo dela.
Continuar lendo “Rapunzel”

Os duendes

conto dos Irmãos Grimm

tradução de Renate Kaufmann
revisão de Ruth Salles

PRIMEIRO CONTO

Era uma vez um sapateiro que ficou tão pobre, embora a culpa não fosse dele, que por fim só tinha couro para um único par de sapatos. Então, à noite, ele cortou o couro, para fazer os sapatos na manhã seguinte; e, por ter a consciência tranquila, deitou-se calmamente, encomendou-se ao querido Deus e adormeceu.
Continuar lendo “Os duendes”

João, o felizardo

conto dos irmãos Grimm

tradução de Renate Kaufmann
revisão de Ruth Salles

João serviu por sete anos a seu patrão e depois lhe disse:

– Senhor, meu prazo terminou, e eu agora gostaria de voltar para a casa de minha mãe. Dai-me o meu salário.

O patrão respondeu:

– Tu me serviste fiel e honestamente; assim como foi o serviço, também deve ser o salário.
Continuar lendo “João, o felizardo”

Contos de Fadas – dicas para o Professor

Como contar histórias e contos de fadas

Aula com a Professora Marisa Cristina dos Santos

Os contos de fadas são, segundo Rudolf Steiner, um tesouro espiritual da humanidade. Fruto de vivências primordiais da existência humana, sua atuação tem um efeito inconsciente na alma ao resgatar, por meio de imagens significativas, o longo percurso do amadurecimento humano na terra.
Continuar lendo “Contos de Fadas – dicas para o Professor”

Cinderela

Conto dos irmãos Grimm

tradução de Alda Volkmann
revisão de Ruth Salles

A esposa de um homem rico adoeceu e, sentindo que seu fim estava próximo, chamou a filhinha única para junto de sua cama e disse: – – Querida filha, conserva-te piedosa e boa, pois assim Deus te ajudará sempre, e eu ficarei a teu lado e olharei por ti lá do céu.

Em seguida, fechou os olhos e morreu.
Continuar lendo “Cinderela”

Chapeuzinho Vermelho

Conto dos irmãos Grimm

tradução de Alda Volkmann
revisão de Ruth Salles

Era uma vez uma menina tão encantadora que todos gostavam dela só de olhá-la. Quem mais gostava dela era sua avó, que não sabia mais o que dar à neta. Uma vez, deu-lhe de presente um capuz de veludo vermelho. Ele ficou tão bem na menina que ela não queria mais usar outro. Por isso, todos passaram a chamá-la Chapeuzinho Vermelho.

Continuar lendo “Chapeuzinho Vermelho”

Pele de bicho

Conto dos irmãos Grimm, traduzido por Ruth Salles e Renate Kaufmann

Era uma vez um rei que tinha uma esposa com cabelos dourados, e ela era tão linda que já não se encontrava outra igual sobre a face da terra. Aconteceu que ela estava enferma e, quando sentiu que morreria logo, chamou o rei e disse:

Continuar lendo “Pele de bicho”

Os três homenzinhos na floresta

Conto dos irmãos Grimm, traduzido por Ruth Salles e Renate Kaufmann.

Havia um homem cuja mulher morrera, e uma mulher cujo marido morrera; e o homem tinha uma filha, e a mulher tinha uma filha também. As meninas vieram a se conhecer, foram passear juntas e, mais tarde, chegaram à casa da mulher. Esta disse, então, à filha do homem:

Continuar lendo “Os três homenzinhos na floresta”

Os sete corvos

Conto dos irmãos Grimm, traduzido por Ruth Salles e Renate Kaufmann.

Era uma vez um homem que tinha sete filhos, mas por mais que o desejasse, nem uma só filha.

Afinal, de novo sua mulher lhe comunicou a próxima vinda de uma criança; e, quando esta veio ao mundo, era realmente uma menina. Foi grande a alegria, mas a criança era pequena e franzina e, devido à sua fraqueza, precisou ser batizada às pressas. O pai mandou, com urgência, um dos meninos à fonte buscar água para o batismo, e os outros seis foram junto.

Continuar lendo “Os sete corvos”

A bola de cristal

Conto dos irmãos Grimm, traduzido por Ruth Salles e Renate Kaufmann.

Era uma vez uma feiticeira que tinha três filhos que se amavam fraternalmente; a velha, porém, não confiava neles, pensando que quisessem roubar-lhe o poder. Transformou, então, o mais velho numa águia, que teve de ir morar no alto de uma montanha rochosa; e, de vez em quando, podia-se vê-lo descrever grandes círculos no ar, para cima e para baixo.

Continuar lendo “A bola de cristal”

A rainha das abelhas

Conto dos irmãos Grimm, traduzido por Ruth Salles

Certa vez, dois filhos de rei saíram em busca de aventuras e se entregaram a uma vida tão desregrada e dissoluta que nem se lembravam de voltar para casa. O mais moço, que era chamado de Bobo, saiu à procura de seus irmãos; quando finalmente os achou, só ouviu caçoadas, porque, sendo tão ingênuo, pensava em vencer na vida, enquanto eles, muito mais espertos, não tinham conseguido.

  • Desenho de lousa da professora Beatriz Retz, da Escola Waldorf Aitiara.

Continuar lendo “A rainha das abelhas”