Taroena e Tiriúna

poema de Ruth Salles

Lá na cancela
do xaxim desencantado
mora a bruxa Taroena
de chinela e de chinó.

E que diz ela
no seu tom assegredado,
ronronando no sereno,
pelo vento, pelo pó?
“Trepadeira de imbé
tem vassoura no pé…”

No xiquexique
crepitoso e espinhoso
mora a bruxa Tiriúna
tão xendengue e tão chué.

No diz-que-diz-que,
que é que disse de estranhoso,
com seu jeito de gatuna,
chapinhando pé-com-pé?
“Quem voou foi o grou.
Se não vem, eu não vou…”

 

Vocabulário para “Taroena e Tiriúna”:

– cancela: espécie de porteira baixa, de uma trave só, que sobe e desce.
– xaxim: tronco de certas samambaias.
– chinó: peruca.
– imbé: tipo de trepadeira de raízes aéreas.
– vassoura: no caso, filamentos pendurados.
– xiquexique: espécie de cacto.
– crepitoso: que crepita, que estala.
– xendengue: magrela.
– chué: mal arrumada.
– chapinhando: batendo com os pés na lama.
– grou: ave que passa anunciando inverno muito frio.

 

 

***